Deus no cérebro: a Ciência da Neuroteologia

por 

Somos a única espécie no planeta conhecida por praticar a religião. Este recurso é universal entre os humanos: não há nenhuma nação na Terra que não pratica uma ou outra forma de crença espiritual.

A questão é o que faz nosso cérebro diferente para que nós pratiquemos a espiritualidade? A religião serve a qualquer propósito de nossa espécie em termos de beneficiar a sobrevivência e progresso? Estas perguntas são muito filosóficas. Muitos pensadores acreditam que a religiosidade é o que distingue o Homo sapiens do resto do reino animal e fez nossa espécie a dominar este planeta. Por outro lado, um grande número de pensadores acredita que a religião impede o progresso e mantém nossa sociedade em um estado bárbaro. Não há dúvida de que a religião desempenhou um papel muito importante na história humana inicial: forneceu as primeiras explicações para a existência do mundo que nos rodeia. A necessidade de tal explicação destaca um passo importante no desenvolvimento do cérebro e processos cognitivos.

Características comportamentais pode tornar-se reforçadas pela evolução se elas trazem benefícios de sobrevivência. Os pesquisadores pensam que o altruísmo, por exemplo, é este tipo de traço comportamental: pode ser desvantajoso para um determinado indivíduo em uma instância específica, mas traz vantagens para as espécies em geral. Comportamento altruísta é promovido pela maioria das religiões do mundo. Portanto, as práticas religiosas podem ter fornecido vantagens evolutivas para os primeiros humanos em termos de sobrevivência também.

Leia também:

Algumas pessoas são tão profundamente religiosas que o sistema de crenças praticamente molda toda a sua vida. Seria razoável supor que algo interessante deve estar acontecendo em seu cérebro. Também é bastante provável que esses processos cerebrais são diferentes dos processos nos cérebros dos incrédulos. Isto é o que a nova ciência da neuroteologia tem como objetivo de estudo. Neuroteologia investiga os correlatos neurais de crenças religiosas e espirituais. Esses estudos podem ajudar a descobrir por que algumas pessoas estão mais inclinadas para a espiritualidade, enquanto outras permanecem profundamente céticas sobre a ideia da existência de Deus.

Há já algumas conclusões interessantes do campo da neurociência que podem ajudar a abrir a janela para o cérebro espiritual.

Em primeiro lugar, não há nenhuma única parte do cérebro que é “responsável” pela relação de um indivíduo com o seu Deus/es. Como qualquer experiência humana emocionalmente intensa, experiências religiosas envolvem múltiplas peças e sistemas do cérebro. Vários experimentos com o uso de scanners cerebrais confirmam este ponto de vista. Em um estudo, freiras carmelitas foram convidadas a lembrar a sua mais intensa experiência mística enquanto a neuroimagem do seu cérebro foi realizada. Os loci de activação nesta experiência foram observados no córtex orbitofrontal medial direito, córtex temporal médio direita, lóbulos parietais inferiores e superiores direitos, núcleo caudado, córtex pré-frontal medial esquerdo, córtex cingulado anterior esquerdo, lóbulo parietal inferior esquerdo, ínsula esquerda, e tronco cerebral esquerdo.

De modo semelhante, um estudo com fMRI em indivíduos religiosos Mormon encontrou áreas de ativação no núcleo accumbens, córtex pré-frontal ventromedial, e regiões de atenção frontais. O núcleo accumbens é a área do cérebro associada à recompensa. Ele também está envolvido em respostas emocionais ao amor, sexo, drogas e música. Um recente estudo também identificou uma série de mudanças em volumes corticais regionais que estão associados com vários componentes de religiosidade, como um relacionamento íntimo com Deus e temor de Deus.

Parece provável que as experiências religiosas de mudança de vida podem estar ligadas à mudanças na estrutura cerebral. Por exemplo, um estudo demonstrou que os cérebros de adultos mais velhos que relataram tais experiências apresentam um grau de atrofia hipocampal. Atrofia do hipocampo é um fator importante no desenvolvimento da depressão , demência e doença de Alzheimer . Ainda não está claro exatamente como as mudanças estruturais no cérebro e do nível de religiosidade se relacionam entre si.

É sabido que algumas drogas simulam experiências espirituais. Por exemplo, psilocibina, o ingrediente ativo nos “cogumelos mágicos”, estimula lobos temporais e imita as experiências religiosas. Isto implica que a espiritualidade está enraizada na fisiologia neuronal. Não é de admirar que os compostos psicoativos são frequentemente utilizados em práticas ritualísticas e xamânicas ao redor do mundo.

Todos os estudos que envolvem imagens cerebrais de pessoas em estados específicos sofre de uma grande limitação: é difícil ter certeza de que as pessoas estão realmente naquele estado em particular no momento da medição. Por exemplo, se medimos a atividade do cérebro quando um sujeito supostamente resolve uma tarefa matemática, podemos não ter 100% de certeza de que a sua mente não está pensando em outras coisas em vez de se concentrar na tarefa. O mesmo se aplica à medição de qualquer estado espiritual. Portanto, os padrões de ativação cerebral obtidos por meio de imagens do cérebro não devem ser vistos como prova final de qualquer teoria.

Várias práticas religiosas têm o potencial de influenciar a nossa saúde, em ambos os sentidos, positivos e negativos. Observou-se que as pessoas religiosas, em geral, têm um menor risco de ansiedade e depressão. Isso, por sua vez, está ligado a um sistema imunológico mais forte. Por outro lado, as pessoas envolvidas em lutas religiosas podem experimentar os efeitos opostos. A investigação sobre a resposta do cérebro à práticas religiosas pode ajudar a desenvolver ainda mais a nossa compreensão da relação entre saúde e espiritualidade.


Referências

Beauregard M and Paquette V (2006) Neural correlates of a mystical experience in Carmelite nuns. Neuroscience Letters 405(3):186-90. DOI: 10.1016/j.neulet.2006.06.060

Ferguson MA et al. (2016) Reward, salience, and attentional networks are activated by religious experience in devout Mormons. Social Neuroscience: 1–13. doi:10.1080/17470919.2016.1257437.

Griffiths RR et al. (2006) Psilocybin can occasion mystical-type experiences having substantial and sustained personal meaning and spiritual significance. Psychopharmacology. 187 (3): 268–83; discussion 284–92. doi:10.1007/s00213-006-0457-5.

Griffiths RR et al. (2008) Mystical-type experiences occasioned by psilocybin mediate the attribution of personal meaning and spiritual significance 14 months later. Journal of psychopharmacology. 22 (6): 621–32. doi:10.1177/0269881108094300.

Kapogiannis D et al. (2009) Neuroanatomical Variability of Religiosity. PLoS ONE4(9): e7180. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0007180

Kapogiannis D et al. (2009). Cognitive and neural foundations of religious belief. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 106(12), 4876–4881. http://doi.org/10.1073/pnas.0811717106

Owen AD et al. (2011) Religious factors and hippocampal atrophy in late life. PLoS ONE. 6 (3): e17006. doi:10.1371/journal.pone.0017006.

Sayadmansour A (2014) Neurotheology: The relationship between brain and religion. Iranian Journal of Neurology, 13(1), 52–55.

Fonte: Brain Blogger





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.