Objeto a (objeto pequeno a) | Psicanálise de Lacan

No teoria psicanalítica de Jacques Lacan, objet petit a (objeto a ou objeto pequeno a) representa o objeto de desejo inatingível . Às vezes é chamado o objeto causa do desejo. Lacan sempre insistiu que o termo deve permanecer não traduzido “adquirindo assim o status de um sinal algébrico” ( Escritos ).

O ‘a’ em questão significa ‘ autre ‘ (outro), o conceito foi desenvolvido a partir do ‘objeto’ freudiano e da própria exploração de ‘alteridade’ por Lacan. [1]

Conteúdo

  1. Origens psicanalíticas
  2. Desenvolvimento lacaniano
  3. Hierarquia de objeto (a)
  4. Analista e o a
  5. Referências
  6. Fontes e ligações externas

Origens psicanalíticas

Jacques-Alain Miller apontou para as origens do objeto (a) no “objeto perdido” de Freud … a função que Freud descobriu nos Três Ensaios … e da qual Karl Abraham fez o cerne da sua teoria do desenvolvimento do qual ele derivou as primeiras instalações do “objeto parcial”. [2]

Em seguida, de acordo com Miller, Melanie Klein ‘localiza o objeto parcial no centro de economia psíquica … e Winnicott vislumbrava como o objeto de transição .’ [3] Essa longa pré-história das relações de objeto ‘é o que Lacan resume, condensa, justifica e constrói com objeto a.’ [4]

Desenvolvimento lacaniano

‘Nos seminários do final dos anos 1950 e início dos anos 1960 de Lacan, o conceito em evolução de objeto pequeno a é visto no matema da fantasia como o objeto de desejo procurado no outro … um afastamento deliberado das relações d eobjeto da psicanálise britânica. [5]

Em 1957, no seu Seminário Les formações de l’inconsciente , Lacan introduz o conceito de objeto a como o (Kleiniano) objeto parcial imaginário, um elemento que é imaginado como separável do resto do corpo. No Seminário Le transfert (1960-1961), ele articula objeto a com o termo agalma (em grego, um ornamento). Assim como o agalma é um objeto precioso escondido em uma caixa inútil, objeto a é o objeto de desejo que buscamos no outro. A “caixa” pode assumir muitas formas, as quais não são importantes, a importância está no que é “dentro” da caixa, a causa do desejo.

Nos seminários L’angoisse (1962-1963) e Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964), objeto a é definido como a sobra, o remanescente deixado para trás pela introdução do simbólico no real. Isto é ainda mais elaborado no Seminário The Other Side of Psychoanalysis (1969-1970), onde Lacan elabora seus quatro discursos. No discurso do Mestre, um significante tenta representar o sujeito para todos os outros significantes, mas um excedente é sempre produzido: esse excedente é o objeto pequeno a, um significado excedente, um excedente de gozo.

Slavoj Žižek explica esse objeto a em relação ao MacGuffin de Alfred Hitchcock : “[O] MacGuffin é objeto pequeno a pura e simples: a falta, o restante do real que põe em marcha o movimento simbólico de interpretação, um buraco no centro da ordem simbólica, a mera aparência de algum segredo para ser explicado, interpretado, etc.” ( Ama o teu sintoma como a ti mesmo ).

Hierarquia de objeto (a)

Falando da “queda” do objeto a, Lacan observou que ‘a diversidade de formas assumidas por esse objeto da queda deve estar relacionada com a maneira pela qual o desejo do Outro é apreendido pelo sujeito.’ [6] A primeira forma é ‘algo que é chamado de mama … esta mama em sua função como objeto, objeto a causa do desejo.’ [7]

A seguir surge ‘a segunda forma: o objeto anal. Sabemos que por meio da fenomenologia do presente, o presente é oferecido em ansiedade.’ [8] A terceira forma aparece ‘ao nível do ato genital … [onde] o ensino freudiano, e a tradição que tem mantido, situa-nos o abismo enorme da castração.’ [9]

Lacan também identificou ‘a função do objeto pequeno a no nível da unidade escopofílica. Sua essência é realizada na medida em que, mais do que em outros lugares, o assunto é cativo da função do desejo ‘. [10] O termo final diz respeito à ‘o pequeno a fonte do superego … o quinto termo da função de opequeno a, através da qual será revelada a gama do objeto em sua – pré-genital – relação à demanda do – pós-genital – Outro ‘. [11]

Analista e a

Para que a transferência ocorra, o analista deve incorporar o para o analisando: ‘analistas são tão somente na medida em que eles são objeto – o objeto do analisando’. [12] Para Lacan, ‘não é o suficiente que o analista deva suportar a função de Tirésias. Ele deve também, como Apollinaire nos diz, ter seios [13] – deve representar ou incorporar o (faltante) objeto de desejo.

Trabalhar através da transferência, posteriormente, implica em movimento ‘para além da função do a’ : o ‘analista tem de … ser o apoio da separação do a‘ [14] , de modo a permitir que a análise, eventualmente, seja concluída. ‘Se o analista durante a análise vir a ser este objeto, ele irá também no final de análise não ser. Ele vai submeter-se ao destino de qualquer objeto que está sendo a, que é ser descartado.’ [15]

Referências

  1. Alan Sheridan, “Translator’s Note”, Jacques Lacan, The Four Fundamental Concepts of Psycho-analysis (London 1994) p. 282
  2. Jacques-Alain Miller, “Microscopia”, in Jacques Lacan, Television (London 1990) p. xxxi
  3. Miller, “Microscopia” p. xxxi
  4. Miller, “Microscopia” p. xxxi
  5. Mary Jacobus, The Poetics of Psychoanalysis (Oxford 2005) p. 26n
  6. Jacques Lacan, Television (London 1990) p. 85
  7. Jacques Lacan, The Four Fundamental Concepts of Psycho-analysis (London 1994) p. 168
  8. Jacques Lacan, “Introduction to the Names-of-the-Father Seminar”, in Television p. 85
  9. Lacan, “Introduction” p. 85-6
  10. Lacan, “Introduction” p. 86
  11. Lacan, “Introduction” p. 87
  12. Lacan, Television p. 4
  13. Jacques Lacan, The Four Fundamental Concepts of Psycho-analysis (London 1994) p. 270
  14. Lacan Concepts p. 273
  15. Stuart Schneiderman, Returning to Freud (New York 1980) p. 8

Fontes e links externos



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Um comentário em “Objeto a (objeto pequeno a) | Psicanálise de Lacan

  • 18/11/2017 em 20:10
    Permalink

    Muito bom…estava de passagem e o texto abordado de modo simplista me prendeu.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.