O Caso Dora: Fragmento da Análise de um Caso de Histeria

“Fragmento da análise de um caso de histeria” (Caso DORA / Ida Bauer)

A história do caso de Freud com Ida Bauer, chamada de Dora (1905), abrange cerca de 70 horas de tratamento. A adolescente de 18 anos de idade, foi forçada a ir para a análise com Freud por seu pai, Philip Bauer, que estava preocupado com seus desmaios e recente nota de suicídio.

Seus sintomas de apresentação incluíam dispena (falta de ar), tosse nervosa, afonia, depressão e insociabilidade histérica. Combinando os dados anamnésicos, reconstrução e uma extensa análise de dois sonhos, Freud retrata a sua paciente como uma criança observando a cena primal e caindo doente pela masturbação relacionada. Sua posterior desordem psíquica estava diretamente relacionada com a ligação do pai com Frau K. (Peppina Zellenka). Philip negou a ligação e, em sua própria versão da análise de Dora, queria que Freud falasse para Dora desistir de sua crença. Além disso, Dora tinha sido traumatizada duas vezes por Herr K. (Hans Zellenka). Até a terapia, ela tinha mantido a primeira ocasião traumática por si mesma, e a segunda foi negada por Hans, que, com sua esposa e Philip, acusa Dora de invenção.

Freud tentou demonstrar a Dora que sua censura de seu pai adúltero eram auto-recriminações, enraizada em seu amor não reconhecido por Hans, que continuou a solicitá-la. Surpreendentemente, Freud também queria que Dora parasse de resistir e aceitasse Hans, pois “teria sido a única solução possível para todas as partes envolvidas.” Dora, porém, abruptamente termina o tratamento – uma ação que Freud considerou como mais uma manifestação de sua vingança. Freud apontou duas outras deficiências de sua manipulação do processo: ele negligenciou transferência de Dora, e ele negligenciou esforços homossexuais de Dora, encontrados em seu nível inconsciente mais profundo.

História do caso Dora foi uma experiência clínica organizadora para Freud e para o movimento psicanalítico, e se destaca como um registro paradigmático da psicanálise e da cultura contemporânea. É o texto mais longo de Freud com uma paciente do sexo feminino e também parte da trilogia memorável de Freud, que inclui A Interpretação dos Sonhos (1900a) e Três ensaios sobre a sexualidade (1905d). É o primeiro dos grandes casos de análise de Freud e o primeiro envolvendo uma adolescente. Ernest Jones chamou o caso de “um modelo para estudantes de psicanálise“, e para Erik Erikson, era “a análise clássica da estrutura e a gênese de uma histeria.” Outros críticos descrevem o caso como um espécime canônica de histeria de conversão, como a demonstração psicossomática mais gráfica de Freud, e como o caso de Freud mais discutido em psiquiatria e psicanálise, bem como na sociologia, antropologia, história e crítica literária.

Várias descobertas teóricas de Freud no caso Dora, de um ponto de vista prático, devem ser reavaliadas. Freud minimizou ou inteiramente desconsiderou a carga tripla de Dora por ser uma mulher, uma judia e uma adolescente vitimado por dois pares de adultos. Em sua busca para reconstruir geneticamente a verdade psíquica, Freud rejeitou a preocupação de Dora sobre a verdade histórica atual e sua necessidade de validar a sua experiência. O caso carece de uma pretensão indispensável da psicanálise, já que não há praticamente nenhuma interpretação envolvendo transferência e a doutrinação e associação forçada substituíram a associação livre.

Adaptado do texto de Patrick Mahon.


Fonte de citações

Freud, Sigmund. (1905e). Bruchstück einer Hysterie-Analyse. Mschr. Psychiat. Neurol.XVIII, p. 285310, 408-467; G.W., V, p. 161-286; Fragment of an analysis of a case of hysteria. SE, 7: 1-122.

Bibiografia

Erikson, Erik H. (1964). Insight and responsibility. New York: W. W. Norton.

Freud, Sigmund. (1900a). The interpretation of dreams. SE, 4: 1-338; 5: 339-625.

Jennings, Jerry. (1986). The revival of “Dora”: Advances in psychoanalytic theory and technique. Journal of the American Psychoanalytic Association34, 607-634.

Laurent,Éric (1986). Lectures de Dora. In Fondation du champ freudien, Rencontre internationale, Hystérie et obsession (pp. 29-42). Paris: Navarin.

Mahony, Patrick. (1996). Freud’s Dora: A historical, textual, and psychoanalytic study. New Haven: Yale University Press.

Fonte

“‘Fragment of an Analysis of a Case of Hysteria’ (Dora/Ida Bauer).” International Dictionary of Psychoanalysis. . Recuperado em 05 de Outubro de 2017 de Encyclopedia.com: http://www.encyclopedia.com/psychology/dictionaries-thesauruses-pictures-and-press-releases/fragment-analysis-case-hysteria-doraida-bauer



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.