A ‘Lei do Pai’ na Psicanálise de Freud e Lacan

Lei do Pai na Psicanálise de Freud

Sigmund Freud biografia
Sigmund Freud

Em 1897, Freud observou, com base na sua análise de seus primeiros pacientes e sua autoanálise, que “O pai proíbe a criança de realizar o seu desejo inconsciente de dormir com sua mãe” (carta a Fliess, 15 de outubro, 1897). Este primeiro esboço do complexo de Édipo, que agora parece simplista, cresceu cada vez mais complexo ao longo das pesquisas de Freud. A Lei do Pai acaba por ser direcionada tanto para a mãe (“Você não vai reintegrar o seu produto”), bem como para sua prole varrida pelo desejo.

A lei do pai também é acompanhada por uma liminar contra o canibalismo e o assassinato, e mantem-se ideais, principalmente os sexuais ( “Mais tarde você poderá desfrutar, como eu, de uma mulher de outra família”). Uma vez introjetado, isto torna-se a origem do superego e ego ideal. A repressão de pulsões, a sua supressão e sublimação, são os principais resultados do conflito que vão conectá-lo estruturalmente a esta lei.

Freud reconheceu rapidamente que a presença real de um pai não é a melhor garantia do cumprimento da lei do pai: um pai ausente ou morto pode servir como agente, tão bem ou melhor do que o pai vivo. Isto levou à criação do mito do pai primitivo (a, 1912-1913a).

A Lei do Pai na Psicanálise de Lacan

Jacques Lacan mostrou que essa Lei do Pai, na medida em que serve como um princípio de diferenciação e separação, é na verdade a lei da linguagem e uma condição sine qua non para a existência do desejo. Ele alegou que o próprio sujeito estrutura-se através de sua resposta inconsciente à lei e aos desejos incestuosos. Ela molda a repressão do desejo (neurose) e a negação ou foraclusão da lei (perversão e psicose, respectivamente). Lacan também mostrou que é importante diferenciar o verdadeiro Pai, o Pai imaginário, e o Pai simbólico.


Patrick De Neuter via Encyclopedia.

Bibliografia:

Collectif. (1989). Le Père. Métaphore paternelle et fonction du père: L’interdit, la filiation, la transmission. Paris: Denoël.

De Neuter, Patrick. (1992). Le père réel et la sexualité du fils. Psychiatrie de l’enfant13, 65-80.

——. (1993). Fonctions paternelles et naissances du sujet. Cahiers des sciences familiales et sexologiques16, 105-127.

Dor, Joël. (1989). Le Père et sa Fonction en psychanalyse. Paris: Point hors ligne.

Freud, Sigmund. (1912-1913a). Totem and taboo. SE, 13: 1-161.

 




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.