Amplificação na Psicologia Analítica de Jung

AMPLIFICAÇÃO (psicologia analítica)

Amplificação é uma parte do método de interpretação do material clínico e cultural de Jung, especialmente sonhos. Amplificação envolve o uso de paralelos míticos, históricos e culturais, a fim de esclarecer, tornar mais ampla e, por assim dizer, aumentar o volume de material que pode ser obscuro, fino e difícil de tratar.

Pela amplificação, o analista permite que o paciente vá além do conteúdo pessoal para as implicações mais amplas de seu material. Assim, o paciente se sente menos sozinho e pode localizar sua neurose pessoal dentro do sofrimento geral da humanidade.

Amplificação é também um meio de demonstrar a validade do conceito de inconsciente coletivo. A compreensão inicial de Jung do inconsciente coletivo foi que ele consistia de imagens primordiais que eram, em grande medida, consistentes em culturas e épocas históricas.

Amplificação é uma espécie de “pensamento natural”, proceder por analogia e elaboração imaginativa. Neste sentido, ela também pode ser visto como uma abordagem psicológica de profundidade com base no que é reivindicado como sendo o funcionamento natural da mente, que não é linear e ordenado.

Jung introduziu pela primeira vez a ideia em um ensaio em uma coleção editada por Freud em 1908, quando afirmou que ele não deseja o processo de interpretação para prosseguir “inteiramente subjetivamente.” Em 1935, ele falou sobre a necessidade de encontrar “o tecido no qual a palavra ou a imagem está incorporada” (Jung, 1968, p. 84). Lá ele faz a afirmação que a amplificação segue uma espécie de “lógica” natural . Em 1947, o valor de amplificação reside no fato de que ela pode permitir-nos chegar, por inferência, às estruturas arquetípicas da mente inconsciente que, por definição, são irrepresentáveis em si, devem ser distinguidas por sua aparência na cultura, e que, portanto, só podem ser avaliadas por meio de técnicas, tais como a amplificação (Jung, 1947). Gradualmente, Jung estava vendo a amplificação mais como uma técnica para ser usada em uma ampla variedade de contextos e menos como um princípio geral do funcionamento mental. Por isso, a amplificação está por trás das imensas extensões de material cultural e histórico que Jung estabelece para seus leitores.

Quando a técnica clínica relacionada a imaginação ativa foi refinada, a amplificação adquiriu um novo significado na teoria clínica Jungiana. Se afundando no inconsciente, muitas vezes por meio de atividade artística, o que foi encontrado nele não era para ser apenas um processo estético auto-indulgente, o papel do ego na amplificação foi importante como um agente crítico, para não mencionar como uma barreira contra a psicose.

As demonstrações mais claras dos usos clínicos de amplificação são encontradas em relação aos sonhos.

Amplificação como um conceito também teve um efeito significativo sobre o desenvolvimento da psicologia analítica como instituição. Se os pacientes estavam perseguindo os paralelos com seu material pessoal em termos de material cultural, eles precisavam de bibliotecas para fazer isso. Esta foi uma das razões para a criação de “clubes” de Psicologia Analítica em centros urbanos. Nos clubes, os pacientes selecionados e os analistas poderiam se relacionar em condições mais ou menos iguais, em parte, unidos pela necessidade de recursos acadêmicos (Samuels, 1994).

A principal crítica à amplificação tem sido que ela pode fazer da análise um processo muito intelectual e às vezes leva os pacientes a uma inflação pela qual eles igualam sua situação pessoal com algo muito maior, portanto, não apenas evitando a transferência, mas também tendo gratificante fantasias onipotentes (Fordham, 1978, p. 220).

Amplificação precisa ser discutida no contexto dos debates atuais sobre interpretação: é melhor localizada, como parte de uma abordagem hermenêutica em vez de uma causal-positivista. Recentemente, o conceito foi alargado de modo a cobrir mais do campo de interpretação do que Jung pretendia (Samuels, 1993). O procedimento analítico comum diário de interpretar o material do paciente em termos infantis também pode ser visto como uma espécie de amplificação, nem hermenêutica nem causal-positivista.

Andrew Samuels


Referências

“Amplification (Analytical Psychology).” International Dictionary of Psychoanalysis. . Recuperado em 02 de Maio, 2017, de Encyclopedia.com: http://www.encyclopedia.com/psychology/dictionaries-thesauruses-pictures-and-press-releases/amplification-analytical-psychology

Fordham, Michael. (1978). Jungian psychotherapy: A study in analytical psychology. Chichester, U.K.: Wiley.

Jung, Carl Gustav. (1947 [1954]). On the nature of the psyche. Coll. Works (Vol. VIII). London: Routledge & Kegan Paul.

Samuels, Andrew. (1993). The political psyche. London and New York: Routledge.

——. (1994, April). The professionalization of Carl G. Jung’s Analytical Psychology Clubs. Journal of the Historical and Behavioral. Sciences, XXX, 138-147.




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.