Retorno do Recalcado / Recalque na Psicanálise de Freud

Retorno do recalcado

O retorno do recalcado ou retorno do reprimido é o processo pelo qual elementos reprimidos, preservados no inconsciente, tendem a reaparecer, na consciência ou no comportamento, na forma de secundários e mais ou menos irreconhecíveis “derivados do inconsciente.Parapraxias (atos falhos) ou sintomas são exemplos desses derivados.

Um aviso importante a se fazer é que recalque aqui pode ser também entendido como repressão. O uso distinto das duas palavras tem relação com as traduções dos livros de Freud.

Alguns textos e vídeos que podem te ajudar a entender o Tio Freud:



Começando com A Interpretação dos Sonhos (1900a), Freud sempre enfatizou a natureza “indestrutível” do material inconsciente, como também o caráter irredutível de traços de memória. Se não temos memórias de eventos durante os primeiros anos de vida, isto é devido à repressão que os afeta. Num sentido, pode-se dizer que todas as memórias podem ser retidas, e o seu recolhimento depende unicamente da forma em que são catexizadas, decatexizadas, ou anticatexizadas.

Na trigésima primeira de suas Novas Conferências Introdutórias sobre Psicanálise“, A dissecção da Personalidade Psíquica“, Freud postulou a inalterabilidade do recalcado, nos seguintes termos:… “Impressões, que têm sido afundadas no id pela repressão, são virtualmente imortais; após a passagem de décadas, elas se comportam como se tivessem acabado de acontecer “(1933a [1932], p 74).. Em Moisés e o monoteísmo, ele acrescentou: “O que é esquecido não se extingue, mas é apenas ‘reprimido’; seus traços de memória estão presentes em toda a sua frescura, mas isolados por ‘anticatexias’ …. eles são inconscientes – inacessíveis à consciência” (1939a [1934-1938], p. 94).

Assim, para Freud desejos reprimidos não são destruídos no inconsciente: em vez disso, eles estão sempre ressurgindo na forma do que são chamados genericamente de derivados do inconsciente, alguns dos quais “tornam-se conscientes como formações e sintomas substitutivos – em geral, é verdade , depois de terem sofrido grande distorção, quando comparados com o inconsciente, embora conservando frequentemente muitas características que exigem repressão “(1915e, p. 193). Tais derivados do inconsciente incluem não só os sintomas, mas também fantasias, lapsos de fala e atos falhos em geral, e até mesmo certos traços de caráter. Eles são expressões do inconsciente que se manifestam na consciência, sem que isso implique necessariamente que o que foi recalcado se torne consciente: Os conteúdos reprimidos retornam, mas muitas vezes continuam a ser irreconhecíveis. Esse retorno do recalcado é por excelência fonte do material com que o psicanalista trabalha, e ele pode referir-se tão facilmente à transferência como às associações produzidas na sessão analítica que estão ligados às ideias reprimidas.

Freud liga a “formação de sintomas” ( Symptombildung ) com o retorno do reprimido: “não é a própria repressão que produz formações e sintomas substitutivos, mas estes últimos são indicações de um retorno do reprimido” (1915d, p 154) . Em termos gerais, a formação de sintomas engloba não apenas o retorno do reprimido por meio de “formações substitutivas” ou “formação de compromisso”, mas também “formações reativas” criadas como baluartes contra desejos reprimidos.

O retorno do recalcado foi considerado por Freud como um mecanismo “específico” (Freud a Ferenczi, 06 de dezembro de 1910), uma visão que ele reiterou em seu artigo sobre “recalque”, onde ele é retratado como uma terceira fase distinta no processo global de recalcamento, na sequência de “recalque primário” e “recalque secundário” ou “recalque propriamente dito” ou “pós-repressão” (1915d, p. 148).

Em uma seção de Moisés e o Monoteísmo, ao lidar com o retorno do recalcado, Freud evoca a re-emergência das “impressões” de primeira infância e as exigências instintivas que podem irromper na vida do sujeito, orientando suas ações e submetendo-o restringindo impulsos. O instinto “renova sua demanda, e, uma vez que o caminho para a satisfação normal, permanece fechado a ele pelo que podemos chamar a cicatriz da repressão, em algum lugar, em um ponto fraco, ele abre outro caminho para si mesmo ao que é conhecido como uma satisfação substitutiva, o que vem à luz como um sintoma, sem a aquiescência do ego …. Todos os fenômenos de formação de sintomas podem ser justamente descritos como o “retorno do recalcado”. A sua característica distintiva, no entanto, é a distorção de longo alcance a qual o material foi submetido retornando em comparação com o original “(1939a, p. 127).

O recalcado mantém assim o seu impulso inicial, o seu desejo de penetrar a consciência. Pode alcançar este objetivo, de acordo com Freud, sob três condições: “(1) se a força da anticatexia é diminuída por processos patológicos que tomam conta da outra parte [da mente] que chamamos de ego, ou por uma distribuição diferente das energias catexiais nesse ego, como acontece normalmente no estado de sono; (2) se os elementos instintuais que se ligam ao reprimido recebem um reforço especial (do qual o melhor exemplo são os processos que ocorrem durante a puberdade); e (3) se, em qualquer ocasião na experiência recente, ocorrem impressões ou vivências que se assemelham tão estreitamente ao reprimido, que são capazes de despertá-lo. No último caso, a experiência recente é reforçada pela energia latente do reprimido e este entra em funcionamento por trás da experiência recente e com a ajuda dela”. Freud acrescenta que “Em nenhuma dessas três alternativas, o que até então foi reprimido ingressa na consciência de modo suave ou inalterado; tem sempre de defrontar-se com deformações que dão testemunho da influência da resistência (não inteiramente superada) que surge da anticatexia, da influência modificadora da experiência recente, ou de ambas.”(1939a, p. 95).


Compre os livros de Freud

Comprando os livros do Freud pelos nossos links você está valorizando nosso trabaho 😉

 

 


Referências

Freud, Sigmund. (1900a). A Interpretação dos Sonhos. SE, 4-5.

Freud, Sigmund. (1915d). A Repressão. SE, 14: 141-158.

Freud, Sigmund. (1915e). O Inconsciente. SE, 14: 159-204.

Freud, Sigmund. (1933a [1932]). Novas conferências introdutórias sobre psicanálise. SE, 22: 1-182.

Freud, Sigmund. (1939a [1934-38]). Moisés e o Monoteísmo. SE, 23: 1-137.

Freud, Sigmund, and Ferenczi, Sándor. (1993-2000). The correspondence of Sigmund Freud and Sándor Ferenczi (Volume 1: 1908-14; Eva Brabant, Ernst Falzeder, and Patrizia Giampieri-Deutsch, Eds.; Peter T. Hoffer, Trans.). Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press.

Le Guen, Claude. (1992). Le Refoulement. Paris: Presses Universitaires de France.

Le Guen, Claude, et al. (1986). Le refoulement (les défenses). Revue française de psychanalyse, 50,1.


Por Jean-FranÇois Rabain para a Encyclopedia.com

 




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.