O cristianismo não pode “acalmar o Ego”

Por 

Bem, vamos começar por admitir o óbvio: somos todos um pouco tendenciosos quando se trata da forma como vemos a nós mesmos. Temos sido todos conhecidos por superestimar nossos atributos positivos e subestimar nossas falhas ao longo do tempo.

Os psicólogos chamam este efeito de autoaperfeiçoamento. A ideia básica por trás do autoaperfeiçoamento é que as pessoas são propensas a avaliar suas próprias habilidades e traços bem generosamente, especialmente quando elas estão avaliando habilidades e traços que são centrais à sua identidade.

Para colocar de outra forma: nós não podemos todos ser acima da média em tudo, mas todos nós podemos pensar em nós mesmos como acima da média!

Por exemplo, os estudantes universitários que estão na média em termos de pontuação SAT e GPA tendem a avaliar-se como acima da média em termos de “capacidade acadêmica.” E as pessoas classificam o som de suas próprias vozes como mais atraentes do que a média.

Embora este efeito tem sido bem documentado por pesquisadores, o que tem sido menos claro é se as pessoas são naturalmente propensas a auto-reforçar todos os seus atributos, ou se as pessoas podem ser culturalmente condicionadas para avaliar alguns de seus atributos mais objetivos.

Assim, um grupo de pesquisadores teve uma ideia: por que não estudar se os cristãos tendem a auto-reforçar os seus níveis de devoção religiosa?

A ideia é que o cristianismo enfatiza o que os psicólogos chamam de “normas de auto-anulação.” Em outras palavras, ele coloca uma ênfase cultural na modéstia e humildade, talvez por isso os cristãos estarão menos propensos a auto-reforçar a sua observância religiosa.

Não é assim, ao que parece. Em uma série de estudos envolvendo milhares de pessoas, os pesquisadores descobriram que os cristãos tendem a auto-reforçar, por superestimar o quão perto eles seguem princípios de sua religião como os mandamentos da fé e os mandamentos de comunhão.

Além disso, os cristãos são muito mais propensos a superestimar-se sobre estas medidas do que os não-crentes, o que é consistente com a ideia de que as pessoas tendem a auto-reforçar ao avaliar características e comportamentos que são fundamentais para a sua identidade.

Dito de outra forma, os cristãos tendiam a pensar em si mesmos como acima da média em termos de quão perto eles aderiam aos princípios do cristianismo.

Na interpretação dos resultados, os pesquisadores sugerem que “o cristianismo não acalma o ego”, apontando que a autovalorização parece ser uma tendência “universal” que resiste a “pressão normativa” de uma ênfase cultural na humildade.


Via All Psych.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.