Desregulação dos receptores de dopamina ligada ao suicídio, diz estudo

Nova pesquisa publicada na Neuropsychopharmacology sugere que um desequilíbrio de receptores de dopamina em determinadas regiões do cérebro está associado com o suicídio.

No estudo, o pesquisador analisou o tecido cerebral de 34 indivíduos falecidos. Metade dos indivíduos morreram de suicídio, enquanto a outra metade tinha morrido por outras causas.

Leia também:

PsyPost entrevistou a autora correspondente do estudo, Megan L. Fitzgerald, da Universidade de Columbia.

PsyPost : Por que você estava interessada neste assunto?

Fitzgerald : O suicídio é o ponto de extremidade mais devastadora de qualquer doença psiquiátrica, mas é muito difícil de estudar. Não há ‘modelos’ animais de suicídio, e é impossível saber com antecedência se uma pessoa vai tirar a própria vida. Portanto, a melhor maneira de estudar atualmente a neurobiologia do suicídio é realizar pesquisas postmortem no cérebro de pessoas que morreram por suicídio.

Neste estudo, utilizou-se uma técnica chamada de auto-radiografia, que é uma abordagem totalmente quantitativa e anatômica, para determinar se os níveis de proteínas e receptores no cérebro diferem no suicídio.

O que de deve tirar de seu estudo?

Por um longo tempo, muitos pesquisadores e médicos consideraram a hipótese de que o suicídio e depressão poderiam ser afetados por níveis alterados de receptores de dopamina ou de dopamina no cérebro, por causa dos efeitos significativos da dopamina sobre o humor. No entanto, uma série de estudos, incluindo o nosso, não mostrou nenhuma mudança nos níveis gerais de transportador de dopamina ou receptores de dopamina no transtorno depressivo maior ou suicídio.

O que é único sobre o nosso estudo é que nós olhamos dois diferentes receptores de dopamina (receptores D1 e D2), bem como o transportador de dopamina no tecido dos mesmos cérebros. Isto é importante porque indica que as pessoas não-deprimidas podem ser capazes de regular os níveis de expressão relativa destes dois tipos de receptores de dopamina, mas que as pessoas deprimidas que cometem suicídio não podem fazê-lo de forma eficaz.

Existem grandes ressalvas? Que perguntas ainda precisam ser abordadas?

Sim, há uma ressalva importante para este trabalho. Embora os indivíduos do nosso estudo não estavam usando antidepressivos no momento de suas mortes, muitos dos que morreram por suicídio tinha usado antidepressivos em algum momento durante suas vidas. Estes medicamentos podem, a longo prazo, alterar a ligação do receptor de dopamina no cérebro. Portanto, é difícil de determinar realmente se o desequilíbrio em receptores D1 e D2 no suicídio é devido à depressão em si ou um tempo de vida de tratamento com antidepressivos. Esta questão deve ser abordada no futuro, talvez usando ratos.

Tem alguma outra coisa que você gostaria de adicionar?

Sim. Nossos dados também deram a entender que a adversidade no início da vida, como abuso ou negligência, poderia causar mudanças na relação entre o transportador de dopamina e o receptor D1. Este achado recorda a ideia de que as primeiras circunstâncias da vida podem alterar a função do cérebro de uma forma que permanece mesmo após a dificuldades terem passado.

Se resultante do meio ambiente, ou genética, ou uma combinação dos mesmos, a depressão e o suicídio tem uma base biológica muito real no cérebro. Este estudo é apenas uma pequena peça no quebra-cabeça muito maior de como o cérebro é alterado nos transtornos do humor. Espero que estes tipos de estudos ajudem quem lê-los a entender por que a depressão deve ser tratada como qualquer outra doença biológica, e ajude a reduzir o estigma para aqueles que sofrem.


O estudo “Dysregulation of Striatal Dopamine Receptor Binding in Suicide“, teve também co-autoria de Suham A Kassir, Mark D Underwood, Mihran J Bakalian, J John Mann e Victoria Arango.




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.