Bactérias intestinais afetam cérebro em pacientes com Síndrome do Intestino Irritável

Síndrome do intestino irritável (SII) é um dos problemas gastrointestinais mais comuns, mas pouco se sabe sobre suas causas. Opções de tratamento focam em aliviar os sintomas – que muitas vezes incluem comportamento ansioso – em vez de curar a doença. Nova pesquisa pode ter encontrado uma conexão entre bactérias intestinais e comportamento em pacientes com síndrome de intestino irritável, o que poderia informar novos tratamentos.

Leia também:

As bactérias intestinais de pacientes com SII humana transferem sintomas para camundongos

Para seu estudo, os pesquisadores utilizaram indivíduos saudáveis, isentos de síndrome do intestino irritável , bem como dois grupos de pacientes com SII: um grupo que também tinha ansiedade e outro que não. Usando transplantes fecais , eles transferiram a microbiota desses seres humanos para ratos.

Após o transplante, os ratos desenvolveram sintomas gastrointestinais e comportamentais semelhantes aos de seus doadores. Os ratos experimentaram disfunção do trânsito gastrointestinal (alterações no tempo que leva para o alimento viajar do estômago através do intestino), disfunção da barreira intestinal (em que o trato gastrointestinal não fornece uma barreira apertada contra as bactérias nocivas externas, como normalmente faria), inflamação e comportamento indicativo de ansiedade.

“Nossas descobertas fornecem a base para desenvolver terapias voltadas para a microbiota intestinal, e para encontrar biomarcadores para o diagnóstico de SII”, diz o Dr. Premysl Bercik, autor principal do estudo e professor associado da medicina na universidade de McMaster.

Os autores observam que suas descobertas podem proporcionar novas oportunidades para o desenvolvimento do tratamento. “Terapias dirigidas pela microbiota, incluindo o tratamento pré ou probiótico, podem ser benéficas no tratamento não apenas de sintomas intestinais, mas também de componentes das manifestações comportamentais da SII”, concluem.

Segundo os autores, os resultados de seu estudo também aumentam a evidência crescente de que a microbiota do intestino pode afetar o cérebro e uma variedade de transtornos mentais. “A microbiota intestinal pode desempenhar algum papel no espectro de distúrbios cerebrais que variam de humor ou ansiedade a outros problemas que podem incluir autismo, doença de Parkinson e esclerose múltipla “, escrevem Bercik e colegas.

No entanto, os autores admitem que mais estudos são necessários para esclarecer completamente a conexão entre essas condições.


Via MNT.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.