A Teoria Ética de David Hume

Teoria Ética na filosofia da David Hume

David Hume sustenta que as distinções morais são derivadas de sentimentos de prazer e dor de um tipo especial, e não, como defendida por muitos filósofos ocidentais desde Socrates – da razão.

Leia também:

Trabalhando a partir do princípio empirista de que a mente é essencialmente passiva, Hume argumenta que a razão por si só nunca pode impedir ou produzir qualquer ação ou afeto. Mas uma vez que a moral se refere a ações e afeições, ela não pode ser baseada na razão.

Além disso, a razão pode influenciar nossa conduta de duas maneiras.

  • Primeiro, a razão pode nos informar da existência de algo que é o objeto próprio de uma paixão, e assim excitá-la.
  • Segundo, a razão pode deliberar sobre meios para um fim que já desejamos.

Mas se a razão estiver errada em qualquer uma dessas áreas (por exemplo, ao confundir um objeto desagradável com algo agradável ou ao escolher equivocadamente os meios errados para um fim desejado), não é uma falha moral, mas uma falha intelectual. Como ponto final, Hume defende uma distinção entre fatos e valores.

De acordo com Hume, não se pode inferir conclusões sobre o que deveria ou não deveria ser o caso com base nas premissas de que é ou não é (veja Tratado da Natureza Humana, Livro III, Parte I).

Uma vez que as distinções morais não se baseiam na razão, Hume infere que elas se baseiam em sentimentos que são sentidos pelo que ele chama de “senso moral”.

Quando descrevemos uma ação, sentimento ou caráter como virtuoso ou vicioso, é porque sua visão causa um prazer ou dor de um tipo particular. Hume está bem ciente de que nem todos os prazeres e dores (por exemplo, o prazer de beber vinho bom) levam a julgamentos morais. Pelo contrário, é “apenas quando um personagem é considerado, em geral, sem referência a nosso interesse particular, que causa uma sensação ou sentimento, como se denomina moralmente bom ou mau” ( Tratado da Natureza Humana, Livro III, Parte I, sec. 2 ).

Finalmente, Hume argumenta que, embora as distinções morais sejam baseadas em sentimentos, isso não leva ao relativismo moral. Para os princípios morais gerais e a faculdade sentido moral que lhes reconhece são comuns a todos os seres humanos.

Limitações do espaço impedem até mesmo um esboço superficial do tratamento de Hume de outras questões filosóficas, como se Deus existe e se os seres humanos têm livre arbítrio e uma alma imortal.

Mas o impacto devastador do empirismo de Hume na metafísica tradicional é sucintamente resumido pelo fechamento das linhas da sua primeira Investigação. “Se tomarmos em nossa mão qualquer volume de divindade ou metafísica escolar. . . Perguntemos: Contém algum raciocínio abstrato sobre quantidade ou número? Não. Contém algum raciocínio experimental sobre matéria de fato e existência? Não. Comprometa-o então às chamas, pois não pode conter mais do que sofisma e ilusão.”


Adaptado do artigo original de Shane Drefcinski.
UW-Platteville




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.