Psicologia Existencial: Princípios e História do movimento

Psicologia Existencial é um sistema em psicologia focado na crença de que a essência dos seres humanos é a sua existência.

psicologia existencial

Psicologia existencial é uma abordagem à psicologia e psicoterapia , que é baseada em várias premissas, incluindo:

  • a compreensão do “todo” de uma pessoa é mais do que a soma de suas partes (lembra da Gestalt?);
  • compreender as pessoas, examinando suas relações interpessoais,
  • a compreensão que as pessoas têm muitos níveis de autoconsciência não pode ser nem ignorada nem colocada em um contexto abstrato
  • as pessoas têm livre-arbítrio e são participantes em vez de observadores em suas próprias vidas
  • a vida das pessoas têm um propósito, valores e significados.

Os terapeutas que praticam a psicologia existencial para tratar seus clientes submergem no mundo do cliente. Para o terapeuta, terapia é um processo em que, eles também estão participando. Este é um processo que busca significados dentro do todo da existência da pessoa, incluindo a história pessoal do cliente.

Existe uma distinção importante entre o conceito de existencialismo e fenomenologia existencial, mesmo que os dois são muitas vezes ligados um ao outro.

De acordo com um dos principais psicólogos existenciais, o psiquiatra suíço Ludwig Binswanger, “… enquanto o terapeuta existencial entra nos fenômenos presentes antes e com ele ou ela, o existencialismo não se limita aos estados de testemunha. Ele inclui a existência de todo o ser.”

Em outras palavras, os terapeutas existenciais estão preocupados com a totalidade dos seus clientes quando eles podem experimentar com eles, enquanto a fenomenologia existencial estuda todo o ser, aquilo que pode ser experimentado, bem como o que não pode.

Binswanger formulou sua crença em torno de três diferentes aspectos da existência humana. Estes incluíram:

  • a Umwelt, ou “mundo ao seu redor”, que significa a unidade biológica natural para os seres humanos;
  • Mitselt, ou “com o mundo”, as relações humanas sociais e interpessoais; e
  • o Eigenwelt, ou “próprio mundo”, o, mundo subjetivo fenomenológico do eu.

História do movimento da Psicologia Existencial

O filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard (1813-1855) é comumente referido como o “pai do existencialismo.” Kiekegaard declarou: “Eu existo, logo penso”, em contraste com as famosas palavras do filósofo René Descartes “Penso, logo existo”. Esta simples declaração influenciou todo um grupo de filósofos e psicólogos europeus, mudando a sua abordagem ao tratamento.

A filosofia de Kiekegaard não foi tão prontamente aceita nos Estados Unidos. Rollo May (1909-1994), o psicólogo americano que se tornaria um dos maiores defensores do movimento existencial, atribuiu a introdução da ideia existencialista nos Estados Unidos ao famoso psicólogo e filósofo, William James.

James era um defensor do princípio do livre arbítrio, um componente crucial no pensamento existencial. Ao longo dos anos 1920 e 1930, o existencialismo estava sendo introduzido discretamente, principalmente em salas de aula das universidades.


Leia também:


Profissionais famosos como Viktor Frankl (1905-1997) estavam começando a introduzir o existencialismo para o mundo através de seus escritos e palestras. Frankl tinha sobrevivido a um internamento no campo de extermínio nazista de Theresienstadt e escreveu pessoalmente sobre os acontecimentos que moldaram suas crenças.

Não foi até Rollo May e seus colegas psicólogos Abraham Maslow e Herman Feifel participarem do Simpósio de Psicologia Existencial e Psicoterapia da American Psychological Association (APA) em 5 de Setembro de 1959, que a ideia de psicologia existencial e seus termos começaram a chegar à vanguarda do pensamento e prática psicológica.

Após o simpósio, o termo existencialismo tinha se tornado uma das palavras “buzz” da psicologia na década de 1960. Rollo May descreveu a abordagem existencial à psicoterapia, afirmando que a tarefa da terapia é de entender o paciente completamente como o paciente realmente existe. Tal terapia exigiria um compromisso por parte dos pacientes para entender completamente as vidas que estavam vivendo, ou as vidas em que estavam existentes.

Além de sua importância como um importante sistema de prática psicológica, o existencialismo representou uma consciência que surgiu após a Segunda Guerra Mundial, especialmente com a geração Baby Boomer. Tais conceitos filosóficos como o existencialismo não ficaram nas salas privadas de universidades.

Por exemplo, o livro de Rollo May Amor E Vontade permaneceu nas listas de best-sellers dos EUA por mais de quatro meses, indicando que uma nova era de pessoas de várias formações estavam prontas para olhar para si mesmas como apenas alguns tinham feito nas décadas anteriores.

 


Referências:

Benner, David G., and Hill, Peter C., eds. Baker Encyclopedia of Psychology & Counseling Grand Rapids, MI: Baker Books, 1999.

Frankl, Viktor. Em Busca de Sentido. (1963) Harcover: Beacon Press, May 2000. Mass Market Paperback, 1990.

May, Rollo. Amor e Vontade. New York: W.W. Norton & Co., 1969.

May, Rollo. The Discovery of Being: Writings in Existential Psychology. (Reprint) New York: W.W. Norton & Co., 1994.

Via Psychology Encyclopedia



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.