Traição e ciúmes: Superando o trauma com a hipnose

Uma traição pode ser um trauma real. Ela constantemente revive o evento com imagens ou recorrentes pensamentos intrusivos, distúrbios do sono, diminuição acentuada de interesses, sentimentos de distanciamento ou estranhamento dos outros, ansiedade difusa, emoções reduzidas, dificuldade em ver as perspectivas futuras.

traicao-ciumes-mulheres-casal

Muitas vezes, mesmo quando o casal permanece junto, a traição é uma laceração profunda. Muitas vezes desencadeia fortes sentimentos de ciúmes e grandes conflitos.

A maioria dos argumentos que desembocam em ataques reais são, na verdade, ciúmes. Homens e mulheres experimentam os mesmos níveis de ciúme, mas são as mulheres que falam mais sobre isso.

A maneira como você percebe o seu parceiro pode provocar uma falta de autoconfiança. A pessoa traída, tanto do ponto de vista físico e do emocional, começa a desenvolver um forte sentimento de insegurança intransponível. Você pode ter como condição mais baixa autoestima do que nunca. 

O ciúme pode se tornar uma obsessão, provocando uma perseguição contínua dos parceiros e arruinando o relacionamento do casal.

A hipnose provou a sua eficácia na redução de pensamentos obsessivos. Em particular aqueles relacionados ao ciúme e controle de parceiros. É um método eficaz para superar o trauma da traição. Pode também contribuir para uma melhor gestão de agressão.

A hipnose e psicoterapia Ericksoniana têm uma longa tradição no tratamento de dificuldades de comunicação no casal. Ela facilita o diálogo e a resolução de conflitos de casais.


Referências bibliográficas:

Haley, J. (1976). Terapie non comuni. Astrolabio, Roma, 164.

Loriedo, C., & Torti, C. (2010). Systemic hypnosis with depressed individuals and their families. Intl. Journal of Clinical and Experimental Hypnosis, 58(2), 222-246.

Stieglitz, J., Gurven, M., Kaplan, H., & Winking, J. (2012). Infidelity, jealousy, and wife abuse among Tsimane forager–farmers: testing evolutionary hypotheses of marital conflict. Evolution and Human Behavior, 33(5), 438-448.

Por Nicoletta Gava, psicóloga e psicoterapeuta, para o PsicoSocial.it.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.