Recuperação Espontânea (com exemplos) | Psicologia [Behaviorismo]

O que é recuperação espontânea na Psicologia (Behaviorismo)?

A recuperação espontânea refere-se ao reaparecimento da resposta condicionada depois de um período de repouso ou período de menos respostas. Se estímulo condicionado e estímulo incondicionado não estão associados, a extinção irá ocorrer muito rapidamente após uma recuperação espontânea.

Exemplos de recuperação espontânea

recuperacao-espontanea__homer-salivando-hamburguerPor exemplo, no experimento clássico de Ivan Pavlov, os cães foram condicionados a salivar ao som de um sino. Pavlov também observou que deixar de emparelhar o som com a apresentação dos alimentos levou à extinção da resposta de salivação.

No entanto, após um período de repouso de duas horas, a resposta de salivação de repente reapareceu quando o som do sino foi apresentado.

Para outro exemplo, imagine que você tenha usado o condicionamento clássico para treinar o seu cão para esperar comida sempre que ele ouve o som de um sino. Quando você toca o sino, seu cachorro corre para a cozinha e busca pelo seu recipiente de alimento. Após a resposta ter sido condicionada, você para de apresentar comida depois de tocar o sino. Ao longo do tempo, a resposta torna-se extinta, e seu cão para de responder ao som. Você para de tocar o sino completamente, mas alguns dias mais tarde você decide tentar tocar a campainha novamente. Seu cão corre para o quarto e espera por sua tigela, exibindo uma recuperação espontânea da resposta condicionada.

Como a recuperação espontânea funciona

A fim de compreender exatamente o que é e como funciona a recuperação espontânea, é essencial começar por compreender o próprio processo do condicionamento clássico.

Condicionamento clássico envolve a formação de uma associação entre um estímulo neutro e um estímulo incondicionado que naturalmente e automaticamente produz uma resposta. Se assustar em resposta a um som alto inesperado e salivar em resposta ao cheiro de comida no forno são exemplos de estímulos incondicionados. Sua resposta a estas coisas acontece automaticamente, sem qualquer aprendizagem, que é por isso referido como resposta incondicionada.

Após o emparelhamento repetido de algo com o estímulo incondicionado, o estímulo anteriormente neutro começará a desencadear a mesma reação, momento em que se torna conhecido como um estímulo condicionado. A reação aprendida ao estímulo condicionado é agora referida como a resposta condicionada.

Por exemplo, no famoso experimento do Pequeno Albert, John B. Watson e Rosalie Rayner repetidamente emparelhavam um som alto (o estímulo incondicionado) com a apresentação de um rato branco (o estímulo neutro). A criança em seu experimento anteriormente não tinha medo do animal, mas, naturalmente, se assustava com o barulho (a resposta incondicionada). Depois de múltiplos emparelhamentos do ruído ao ver o rato, a criança finalmente começou a exibir a resposta de medo (agora conhecida como a resposta condicionada) sempre que via o rato branco (o estímulo condicionado).

Então, o que poderia ter acontecido se Watson e Rayner tivessem parado de emparelhar o rato e o barulho? Na primeira vez, a criança naturalmente ainda ficaria bastante assustada. Depois de várias vezes ver o animal sem qualquer ruído presente, o medo da criança provavelmente começaria a se dissipar lentamente e, eventualmente, ela poderia até mesmo ter parado de exibir a resposta de medo.

Por que a recuperação espontânea é importante

Mas se uma resposta condicionada torna-se extinta, isso realmente desaparece por completo? Se Watson e Rayner tivessem dado ao Pequeno Albert um breve período de descanso antes de reintroduzir o rato, o bebê poderia ter exibido uma recuperação espontânea da resposta de medo.

Porque é que a recuperação espontânea é tão significativa? Esse fenômeno demonstra que a extinção não é a mesma coisa que desaprender. Enquanto a resposta pode desaparecer, isso não significa que ela tenha sido esquecida ou eliminada.

Depois que uma resposta condicionada foi extinta, a recuperação espontânea pode aumentar gradualmente à medida que o tempo passa. No entanto, a resposta que volta não terá geralmente a mesma força que a resposta inicial a menos que um condicionamento adicional ocorra. Numerosos ciclos de extinção seguidos de recuperação espontânea geralmente resultam em respostas progressivamente mais fracas. A recuperação espontânea pode continuar a ocorrer, mas a resposta será menos intensa.


Referências

Schacter, D.L., Gilbert, D.T., & Wegner, D.M. (2011). Psychology. New York: Worth Publishers.

Watson, J. B. & Rayner, R. (1920). Conditioned emotional reactions. Journal of Experimental Psychology, 3, 1-14.


Artigo de Kendra Cherry para o Very Well


DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.