Biografia de Erik Erikson: Vida pessoal / profissional e Psicanálise

Erik Homburger Erikson, nascido Erik Salomonsen, nasceu em 15 de junho de 1902 e faleceu em 12 de Maio de 1994. Foi um psicólogo do desenvolvimento americano, nascido alemão, e psicanalista conhecido por sua teoria sobre o desenvolvimento psicossocial dos seres humanos. Ele ficou famoso por cunhar o termo crise de identidade. Seu filho, Kai T. Erikson, é um notável sociólogo americano.

Erik Erikson

Erikson foi professor em instituições de destaque, como Harvard e Yale. Em 2002 foi considerado o 12º psicólogo mais citado do século pela Review of General Psychology, revista científica da American Psychological Association.

A mãe de Erikson, Karla Abrahamsen, veio de uma proeminente família judaica em Copenhagen, Dinamarca. Ela era casada com Valdemar Isidor Salomonsen, mas tinha se afastado dele vários meses antes de Erik ser concebido. Pouco se sabe sobre o pai biológico de Erik exceto que ele era um gentio dinamarquês. Ao descobrir a gravidez, Karla fugiu para Frankfurt , Alemanha , onde Erik nasceu em 15 de junho de 1902. Em 1905 ela se casou com o pediatra de Erik, Theodor Homberger. Em 1908, o nome de Erik Salomonsen foi mudado para Erik Homberger, e em 1911 Erik foi oficialmente adotado por seu padrasto.

O desenvolvimento da identidade parece ter sido uma das maiores preocupações de Erikson em sua própria vida, bem como em sua teoria. Quando adulto, ele escreveu sobre sua adolescência e sua “confusão de identidade”. “Minha confusão de identidade”, escreveu ele, era às vezes “a fronteira entre a neurose e a psicose adolescente”.

Durante sua infância e início da idade adulta, ele era conhecido como Erik Homberger, e seus pais mantiveram os detalhes de seu nascimento em segredo. Ele era um rapaz alto, loiro, de olhos azuis, que foi criado na religião judaica.

Seus principais interesses eram arte, história e línguas, mas faltava-lhe o interesse na escola e formou-se sem distinção acadêmica. Após a formatura, em vez de frequentar a escola médica, como seu padrasto desejava, frequentou a escola de arte em Munique , mas logo desistiu.

Incerto sobre sua vocação e seu ajuste na sociedade, Erikson passou um longo período perambulando pela Alemanha e Itália como um artista com seu amigo de infância Pedro Blos e outros. Durante este período, ele continuou a lutar com perguntas sobre seu pai e ideias concorrentes de identidade étnica, religiosa e nacional.

Experiência e formação psicanalítica

Quando Erikson tinha vinte e cinco anos, seu amigo Peter Blos convidou-o a Viena para ser tutor da arte para crianças cujos pais ricos foram submetidos a psicanálise da filha de Sigmund Freud, Anna Freud.

Anna notou a sensibilidade de Erikson com as crianças na escola e encorajou-o a estudar psicanálise no Instituto Psicanalítico de Viena, onde os analistas proeminentes August Aichhorn, Heinz Hartmann e Paul Federn estavam entre aqueles que supervisionavam os estudos teóricos. Especializou-se em análise de crianças e foi submetido a uma análise de treinamento com Anna Freud.

Simultaneamente, ele estudou o método Montessori de educação, que incidia sobre o desenvolvimento e estágios sexuais da criança. Em 1933 ele recebeu seu diploma do Instituto Psicanalítico de Viena.

Estados Unidos

Em 1931 Erikson casou-se com Joan Mowat Serson, uma dançarina e artista canadense. Durante seu casamento Erikson se converteu ao cristianismo.

Em 1933, com a ascensão de Hitler ao poder na Alemanha, a queima de livros de Freud em Berlim e o potencial Nazista ameaçando a Áustria, os Eriksons deixaram uma Vienna e partiram para os Estados Unidos, onde a cidadania não seria um problema.

Nos EUA, Erikson se tornou o primeiro psicanalista infantil em Boston e ocupou cargos no Massachusetts General Hospital e em Harvard, estabelecendo uma reputação singular como clínico.

Em 1936, Erikson deixou Harvard e juntou-se a equipe da Universidade de Yale, onde trabalhou no Instituto de Relações Humanas e lecionou na Faculdade de Medicina. Enquanto em Yale, ele se tornou um cidadão naturalizado dos Estados Unidos e mudou o sobrenome de sua família de “Homburger” para “Erikson.”

Erikson continuou a aprofundar o seu interesse em áreas além da psicanálise e a explorar as ligações entre a psicologia e antropologia. Ele fez importantes contatos com antropólogos como Margaret Mead, Gregory Bateson e Ruth Benedict, e esses contatos, por sua vez, levaram-o a uma excursão em 1938, que iria se provar significativa no desenvolvimento de seu pensamento; ele foi convidado para observar a educação das crianças dos nativos Sioux na reserva indígena de Pine Ridge, em Dakota do Sul.

Em 1939 ele deixou Yale, e os Eriksons se mudaram para a Califórnia. Em  San Francisco, abriu uma clínica privada de psicanálise infantil.

Em 1950, após a publicação do livro Infância e Sociedade, pelo qual ele é mais conhecido, Erikson deixou a Universidade da Califórnia. De 1951 a 1960 ele trabalhou e ensinou na Austen Riggs Center, uma instalação de tratamento psiquiátrico de destaque em Massachusetts, onde trabalhou com jovens emocionalmente perturbados. Durante este tempo ele também atuou como professor na Universidade de Pittsburgh, onde trabalhou com Benjamin Spock e Fred Rogers.

Ele voltou a Harvard em 1960 como professor de desenvolvimento humano e lá permaneceu até sua aposentadoria em 1970.




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.