Nietzsche e Jung #4: Dionísio, Sombra e conclusões

Estamos agora finalmente em condições de fazer um esboço da interpretação de Nietzsche por Jung. Nietzsche forneceu a Jung tanto a terminologia (o dionisíaco) e o estudo de caso (Zaratustra como um exemplo do dionisíaco em trabalho na psique) para ajudá-lo a colocar em palavras os seus pensamentos sobre o espírito de sua época: uma era confrontada com uma irrupção do espírito dionisíaco Wotanico no inconsciente coletivo. Isso, em poucas palavras, é como Jung viu Nietzsche, e explica por que ele estava tão fascinado por Nietzsche como um pensador.

→ Artigo anterior: Zaratustra e o Arquétipo Wotan

dionisio deusUm tema que ainda precisa ser discutido, no entanto, é de que forma Nietzsche, e o conceito do dionisíaco, em particular, influenciaram o próprio quadro conceitual de Jung. Pode ser que o conceito da própria estrutura teórica de Jung, que foi mais explicitamente influenciado por Nietzsche é o seu conceito de sombra.

De acordo com Jung, a melhor maneira de lidar com esse lado sombrio da nossa personalidade não é negá-lo, mas se tornar consciente disso e trabalhar com ele. A sombra, em outras palavras, não deve ser negligenciada – é para ser confrontada. Quando esta tarefa é realizada, a sombra deixa de ser antagônica, e pode mesmo tornar-se uma fonte de grande força e criatividade. A sombra, em outras palavras, deve ser integrada na personalidade consciente:

“É uma necessidade terapêutica, de fato, o primeiro requisito de qualquer método psicológico profundo, a consciência para enfrentar a sua sombra. No final, isso deve levar a algum tipo de união, mesmo que a união consista em primeiro lugar em um conflito aberto, e muitas vezes permanece assim por um longo tempo. É uma luta que não pode ser abolida por meios racionais. Quando é deliberadamente reprimida continua no inconsciente e apenas se expressa indiretamente e mais perigososamente, por isso nenhuma vantagem é adquirida” ( Jung, 1963, p. Par. 514 ).

Eu não quero dizer aqui que o conceito da sombra de Jung é o equivalente exato de noção do dionisíaco de Nietzsche. Nietzsche usa seu conceito de uma forma muito mais abstrata do que Jung fez. A sombra, afinal de contas, denota uma parte específica da psique humana, não uma força de vida abstrata como o dionisíaco. Ainda assim, se examinarmos as características do conceito da sombra de Jung, torna-se claro que este se sobrepõe significativamente com o conceito do dionisíaco. A sombra, afinal:

  • Foi negligenciada e reprimida durante a era cristã;
  • Opera em um nível primitivo e emocional;
  • Também é uma fonte de vitalidade e inspiração, um “ativo congenial” ( Jung, 1918, par. 20 ), que representa “o verdadeiro espírito da vida” ( Jung, 1965 [1961], p. 262 ).

Conclusões

Todas essas características se aplicam ao conceito do dionisíaco de Nietzsche também. Escusado será dizer que esta sobreposição poderia ser meramente uma coincidência: poderia ser o caso de que Jung desenvolveu seu conceito de sombra sem qualquer linha direta de influência das ideias de Nietzsche, em absoluto.

Nietzsche, então, foi de profunda importância para Jung. Não só Jung viu o trabalho de Nietzsche como essencial para qualquer pessoa que queira captar a essência do tempo em que ele próprio viveu, mas as ideias de Nietzsche também tiveram uma forte influência sobre a maneira como seus próprios conceitos tomaram forma. A relação de compreensão de Jung a este extraordinário pensador alemão é, portanto, de primordial importância para quem quer compreender verdadeiramente o próprio Jung.


Por Dr. Ritske Rensma, conferencista no campo de Estudos Religiosos da Academia Roosevelt. Autor do livro The Innateness of Myth, que analisa a influência de Jung sobre o mitologista comparativo americano Joseph Campbell.

Fonte: Depth insights

Bibliografia

Bishop, P. (1995). The Dionysian self : C.G. Jung’s reception of Friedrich Nietzsche. Berlin: de Gruyter.
Bishop, P. (1999). C.G. Jung and Nietzsche: Dionysos and analytical psychology. In P. Bishop (Ed.),Jung in contexts : a reader. London / New York: Routledge.
Dixon, P. (1999). Nietzsche and Jung : sailing a deeper night. New York: P. Lang.
The Freud-Jung letters. (1979).  (R. F. C. Hull & R. Manheim, Trans.). London: Penguin books.
Grossman, S. (1999). C.G. Jung and National Socialism. In P. Bishop (Ed.), Jung in contexts : a reader. London / New York: Routledge.
Huskinson, L. (2004). Nietzsche and Jung : the whole self in the union of opposites. New York /
Hove: Brunner-Routledge.
Jung, C. G. (1918). The role of the unconscious. In The collected works of C.G. Jung (Vol. 10). Princeton: Princeton University Press.
Jung, C. G. (1936). Wotan. In The collected works of C.G. Jung (Vol. 10). Princeton: Princeton University Press.
Jung, C. G. (1963). Mysterium coniunctionis (The collected works of C.G. Jung vol. 14). Princeton: Princeton University Press.
Jung, C. G. (1965 [1961]). Memories, dreams, reflections. New York: Random House.
Jung, C. G. (1983 [1896-1899]). The Zofingia lectures. London: Routledge & Kegan Paul.
Jung, C. G. (1988 [1934]). Nietzsche’s Zarathustra : notes of the seminar given in 1934-1939. Princeton, N.J.: Princeton University Press.
Jung, C. G. (1997 [1934]). Jung’s seminar on Nietzsche’s Zarathustra (abridged edition). Princeton, NJ: Princeton University Press.
Noll, R. (1994). The Jung cult: Origins of a charismatic movement. Princeton: Princeton University Press.
Noll, R. (1997). The Aryan Christ : the secret life of Carl Jung. New York: Random House.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.