O que a Psicanálise diz sobre o amor ♥

Por 

Quando você pensa em psicanálise e amor, o que vem à mente?

Tornou-se uma narrativa normativa colocar a psicanálise, complexo de Édipo e sexo na mesma frase, mas é tudo o que existe? Vejamos o que a psicanálise tem a dizer sobre o amor.

Eu não vou dar-lhe uma explicação completa da teoria psicanalítica sobre sexualidade e amor aqui, porque, francamente, esta é uma questão muito complicada para escrever sobre, e muito menos sintetizar em um post de blog. Em vez disso, vamos tocar em alguns conceitos básicos sobre a psicologia do amor que podemos aprender com a teoria e a prática psicanalítica, que irá introduzir uma imagem diferente da psicanálise, espero.

Leitura recomendada: O Inconsciente de Freud

ocitocina-hormonio-do-amor

Diferentes tipos de amor

Em primeiro lugar, existem visões da psicanálise para todos os tipos de amor – amor sexual, amor sensual entre os parceiros, o amor paternal, o amor entre irmãos, amor da avó, amor entre amigos, estar apaixonado ou amando, amor imaginário, amor impossível, amor de transferência, o amor entre os seres humanos e animais, amor à religião e / ou ideologia, amor de si mesmo, o amor adulto, amor de infância, amor adolescente … é claro que nem todos estes são formalmente definidos, mas dá pra entender que são muitas variedades.

O que alguns psicanalistas dizem sobre o amor

“Quando você está apaixonado, você está no amor com a imagem que você acha que o outro tem para você, a imagem refletida pelo outro. “Quando você está no amor, você encontrou alguém para reforçar a boa imagem de si mesmo … quando a imagem é quebrada … e você encontra o verdadeiro outro, às vezes não há divórcio.” Lucie Cantin (um psiquiatra e psicanalista que ensinou na Escola Freudiana de Psicanálise em Quebec)

“É que nunca somos tão indefesos contra o sofrimento como quando amamos, nunca tão impotentes e infelizes como quando perdemos o objeto amado ou o seu amor.” Sigmund Freud falando sobre amor

“Amar é se perder em um labirinto. O amor é labiríntico. Pelos caminhos do amor que você perder o seu caminho, você se perde. “Jacques-Alain Miller (psicanalista, escritor e editor dos Seminários de Jacques Lacan)

Nosso primeiro “objeto de amor”

Quando falamos sobre o amor na psicanálise muitas vezes falamos sobre o “objeto do amor” e “escolha de objeto”. O primeiro objeto de amor que ambos os sexos têm em comum é o seu doador da atenção primária, geralmente a mãe. Muito simplesmente, a relação que temos com este primeiro “objeto de amor” estabelece as bases da nossa capacidade de amor e carinho mais tarde na vida.

Nós aprendemos que é o amor da nossa relação com os nossos pais e da sua relação com o outro. Eles são as primeiras pessoas a refletir de volta para nós quão dignos de amor nós somos, como é seguro amar e o que significa amar e ser amado.

Será que escolhemos por quem nos apaixonar?

De um ponto de vista psicanalítico, o fazemos. Mas não da maneira intencional, controlada e racional que fazemos todas as outras escolhas na vida. Em vez disso, em um tipo inconsciente, um tanto misterioso, em forma de “labirinto”. É por isso que não é incomum para as pessoas ir à psicoterapia psicanalítica para trabalhar em compreender e melhorar seus relacionamentos amorosos.

Para ser mais específico, em seu artigo “Sobre o narcisismo: uma introdução”, Freud fala de dois tipos de “escolha de objeto de amor”:

1) uma escolha narcisista do tipo de objeto : quando uma pessoa ama alguém que é como ela, ou como era no passado ou gosta do que eles realmente gostariam de ser.

2) um tipo ‘anexador’ de escolha de objeto : quando uma pessoa ama “a mulher que o alimenta” ou “o homem que protege”.

Simplificando, quando nos apaixonamos, nos apaixonamos por uma imagem da outra pessoa que reflete algo sobre nós mesmos ou que nos faz lembrar de alguém que amamos ou admiramos. Às vezes, nós caímos no amor com o que nós nunca tivemos, mas ansiávamos; com uma versão idealizada de nós mesmos ( “os opostos se atraem”); com alguém que nos faz sentir especiais e cuidadas.

E, idealmente, a sensação de estar amando é um sentimento de ser como um só com outro ser humano, com quem as palavras nem sempre são necessárias para se sentir compreendida, aceita, e cuidada. Na realidade, é claro, é muito mais complicado do que isso.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.