A história entre Freud e Einstein: “Por que guerra?”

Freud e Einstein trocaram correspondências sobre a guerra

Einstein-Freud

ALBERT EINSTEIN teve dois filhos com sua primeira mulher, Mileva Maric. O mais novo, Eduard, estudou medicina na Universidade de Zurique e planejava se tornar um psiquiatra. A imagem de Sigmund Freud agraciava a parede de seu quarto. Eduard muitas vezes escreveu discursos para o pai sobre a utilidade das teorias de Freud em aspectos da música e do cinema. Relações pai-filho eram de particular interesse para Eduard:

Em uma carta, ele escreveu: “É nos momentos difíceis que ter um pai é tão importante, porque a pessoa se sente tão sem importância.”: “As pessoas que preenchem seu tempo com o trabalho intelectual trazem para o mundo pessoas doentias, nervosas, às vezes até mesmo crianças completamente idiotas (por exemplo, você e eu). “

O único encontro de Einstein com Freud aconteceu em Berlim no início de 1927, na casa do próprio filho mais novo de Freud. Einstein tinha 47 anos, Freud 70, com câncer da boca e surdo de um ouvido. Eles discutiram seu trabalho em seus respectivos campos. Einstein não estava entusiasmado com a psicanálise: Freud, disse ele, nunca iria entrar em sua pele. Respondendo a uma sugestão de um amigo para ele se submeter a psicanálise, Einsten respondeu: “Eu gostaria muito de permanecer na escuridão de não ter sido analisado.” Ele nunca estava convencido da “medida da verdade nos ensinamentos de Freud”, embora ele admirasse suas habilidades literárias. “Pode não ser sempre útil mergulhar no subconsciente,” Einstein disse uma vez. “Nossas pernas são controladas por uma centena de diferentes músculos. Você acha que iria ajudar-nos a caminhar, se analisamos nossas pernas e sabermos a finalidade exata de cada músculo e a ordem em que eles funcionam? “

Freud, por sua vez, pensou que Einstein era um homem bom, mas totalmente ignorante sobre a psicanálise. Ele escreveu a um amigo: “Einstein entende tanto sobre a psicologia como eu sobre física, por isso, tivemos uma conversa muito agradável.”

cartas-freud-einsteinEm 1932, quando se tornou evidente que a depressão de Eduard tinha se transformado em esquizofrenia, Einstein e sua ex-esposa arranjaram-lhe para ir para o hospital psiquiátrico de Burgholzli, onde Carl Jung havia treinado. Provavelmente, a fim de agradar Eduard, Einstein uma vez concedeu a ele que a obra de Freud poderia ter algum mérito. “Devo admitir que, através de várias experiências pessoais pequenas, estou convencido, pelo menos, de suas principais teses.” Eduard, no entanto, nunca se recuperou, permanecendo em Burgholzli até sua morte em 1965. Curiosamente, Einstein nunca pediu a Freud para atender seu filho.

Também em 1932, a Einstein foi dada a opção pelo Instituto para a Cooperação Intelectual, recém-formado pela Liga das Nações, para escolher alguém com quem corresponder na política e na guerra. Einstein escolheu Sigmund Freud, apesar de suas próprias dúvidas sobre psicanálise. Certa vez, ele disse a um amigo que achava que Freud tinha “uma visão afiada; nenhuma ilusão atrapalhando-o a dormir, exceto uma fé exagerada em suas próprias ideias. “Assim começou uma incrível série de cartas. Eles começaram com Einstein escrevendo:

Admiro muito a sua paixão para apurar a verdade – uma paixão que tem vindo a dominar tudo em seu pensamento. Você tem mostrado com lucidez irresistível como inseparavelmente os instintos agressivos e destrutivos estão ligados na psique humana com os do amor e da paixão pela vida. Ao mesmo tempo, os seus argumentos convincentes tornam manifesta a sua profunda devoção à grande meta da libertação interna e externa do homem dos males da guerra.

A visão liberal-esquerda de Einstein era que existia uma relação estreita entre os fabricantes de armas e políticos sedentos de poder. Eles mantiveram o domínio sobre todos, mas que só foi possível por causa da nossa capacidade de ódio e destruição. Ele propôs um organismo internacional como a Liga das Nações, mas mais poderoso, composto por elites intelectuais, para supervisionar a eliminação da guerra. Ele permaneceu um defensor de um desses organismos toda a sua vida, mais intensamente por causa das ameaças representadas pela era atômica, que ajudou a inaugurar a conversa onde Einstein perguntou a Freud:

– “É possível controlar a evolução mental do homem, de modo a fazê-lo ir contra a psicose do ódio e da destruição?

Até então, a maioria dos alemães estava sucumbindo aos nazistas.

Freud respondeu que o instinto de destruição e o instinto de conservação foram ligados um ao outro e não devem ser rotulados como mal e bem.

– “Cada um desses instintos é cada pormenor tão indispensável quanto o seu oposto, e todos os fenômenos da vida derivam da sua atividade, se eles trabalham em conjunto ou em oposição.”

Ele não achava que a agressão poderia ser eliminada. Ele argumentou que amar ao próximo como a si mesmo era “fácil de anunciar, mas difícil de realizar.” Ele esperava que as guerras acabassem porque o homem perceberia que “obriga o indivíduo em situações que envergonham sua virilidade, obrigando-o a matar companheiros homens contra sua vontade.”  Ele defendeu a educação que ensina a humanidade a “compartilhar interesses importantes “, mas ele era cético. Ele colocou para fora sua teoria de Eros e Thanatos – os intintos de vida e morte. Suas ideias na correspondência devem muito ao seu livro, O mal estar na civilização.

Nem o homem sentiu-se confiante de que a guerra seria impedida em qualquer momento em breve. Freud não estava particularmente feliz com suas ruminações sobre este assunto e mais tarde iria caracterizar como “tediosa e estéril” e era improvável que qualquer um deles ganhasse o Prêmio Nobel da Paz. (Freud tinha sido nomeado várias vezes antes; um dos nobelistas que se recusou a apoiá-lo foi Einstein, que escreveu em 1928 que ele não poderia manifestar-se sobre a verdade das teorias de Freud, “muito menos oferecer um veredito”)

por-que-guerra-livro-freud-einsteinDUAS MIL CÓPIAS da correspondência de Einstein-Freud foram publicadas em um livro no ano seguinte pela Liga das Nações, simultaneamente em Inglês, Francês e Alemão, com o título POR QUE GUERRA? (“Why War?”). Por esse tempo, Einstein estava na América.

Em maio de 1933, o ministério da propaganda nazista organizou queima de livros em Berlim e outras cidades alemãs. Os livros de Freud foram jogados no fogo, juntamente com os de Einstein. Nas chamas estava Why War?  …

Surpreendentemente, uma cópia foi encontrada entre os pertences de Mussolini. Em 1933, o líder do movimento psicanalítico italiano, Edoardo Weiss, trouxe um paciente muito doente para Freud para consulta.”O pai do paciente, que nos acompanhou”, escreveu Weiss , “era um amigo próximo de Mussolini. Após a consulta, o pai perguntou a Freud por um presente para Mussolini, em que Freud escrevia uma dedicatória. Eu estava em uma posição muito embaraçosa, pois sabia que, nestas circunstâncias, Freud não poderia negar o pedido. “Freud escolheu Why War? Como o presente e escreveu: “Para Benito Mussolini, com respeitosas saudações de um homem velho que reconhece no governante um herói cultural “.

Por Dusty Sklar



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Um comentário em “A história entre Freud e Einstein: “Por que guerra?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.