Teorias da personalidade: Sigmund Freud e Carl Jung

O objetivo deste artigo é examinar as teorias da personalidade propostas por Sigmund Freud e Carl Gustav Jung, considerando os pontos fortes e limitações dessas teorias e comparando suas suposições subjacentes básicas. Eu também vou examinar o determinismo versus Livre Arbítrio, e se as teorias de Freud ou Jung fazem uso de um ou de ambos estes aspectos quando abordam o desenvolvimento da personalidade individual. Além disso, eu exploro os conceitos de consciência contra motivos inconscientes de comportamento, de acordo com cada um desses teóricos.

Por Kerry43

diferencas-teorias-de-personalidade-freud-jung

Sexo e Agressão

De acordo com Freud, o indivíduo é motivado continuamente por forças internas. Estes motivadores internos que são a base de toda ação, de acordo com Freud, são sexo e agressão (Feist & Feist, 2009). Freud postulou que a motivação para buscar o prazer é acionada pela libido, e pode ser derivada a partir de vários estímulos nos órgãos do corpo, não apenas os órgãos genitais. Por exemplo, uma criança sente o conforto e segurança quando ‘amamentanda’ por uma chupeta.

“O sexo pode assumir muitas formas, incluindo o narcisismo, amor, sadismo, masoquismo. Os dois últimos também possuem componentes generosos do impulso agressivo” (Feist e Feist, 2009, p. 32). Além de satisfazer as necessidades sexuais e redução da tensão, Freud acreditava na agressão como uma força motriz para a ação. No interesse de auto-preservação, um indivíduo pode tanto atuar na defensiva para se proteger, ou se comportar de uma forma hostil para impedir uma ameaça adversária.

Assim como Freud, Jung tinha várias lembranças desagradáveis da infância, no entanto; ele lutou para aceitar a teoria de Freud usando sexo e agressão como motivadores primários para expressão. Isso não quer dizer que a teoria de Jung não foi criticada. Em referência ao seu interesse na mitologia e no folclore, entre outras coisas, Jung respondeu aos críticos ao apontar que ele não era mais do que um ocultista e Freud era um pervertido (Feist & Feist, 2009).

Determinismo versus Livre Arbítrio

Embora a ideia de que o desenvolvimento da personalidade tem raiz na infância seja popular, a teoria de Freud é limitada por causa do seu aspecto determinista. Como outras teorias da personalidade, a teoria de Freud ecoa no viés pessoal. Infância de Freud  influenciou suas idéias sobre o desenvolvimento da personalidade. Percepção da vida e situações de Freud se baseiam na experiência do passado e de recolhimento para a sua fundação, portanto, a motivação interna sexual e agressiva determina a ação usando noções preconcebidas sobre o mundo. Ao contrário da teoria de Freud, as idéias de Jung permitem o exercício do livre arbítrio. Esta diferença de opinião foi uma das muitas que causou o rompimento dos relacionamentos pessoais e profissionais entre Sigmund Freud e Carl Jung.

O consciente e o inconsciente

De acordo com Freud, as duras realidades da vida eram responsáveis por ansiedade que leva a um comportamento agressivo. Quando um comportamento indesejável for observado, a possível causa é uma expressão de ansiedade reprimida do inconsciente. Nesta medida, o determinismo é óbvio; Lapsos freudianos ou comportamento observável gerado por processos inconscientes não podem ser alterados. Jung, por outro lado, argumentava que as manifestações de comportamento e personalidade situacional não eram o resultado de mecanismos reprimidos e imutáveis, mas foram influenciadas por processos inconscientes do inconsciente coletivo dos antepassados (Feist & Feist, 2009).

Para se tornar auto-realizado, Jung acreditava que um indivíduo deve estar disposto a explorar as profundezas do inconsciente e trazê-lo para o primeiro plano a operar em harmonia com o consciente. Esta união equilibrada de todos os aspectos da personalidade resulta em boa saúde psicológica. Desencadear processos inconscientes como este não é um método que Freud praticava. A ideia de alcançar a auto-realização utilizando o método de Jung provavelmente foi aterrorizante para Freud, considerando suas muitas referências a ansiedade e agressividade, que, segundo ele, se originaram de infância.

Embora Freud considerasse a ideia de Carl Jung sobre o inconsciente coletivo como absurda, pode-se argumentar que também é difícil aceitar a ideia de Freud tentar definir a percepção e desenvolvimento da personalidade usando a libido como um ponto de referência.

Limitações foram identificadas na teoria da personalidade de Freud, a saber que o sexo e a agressão são motivadores para o comportamento e as indicações de como se percebe seu mundo. Em comparação com a teoria de Jung, as ideias de Sigmund Freud excluem o uso do livre-arbítrio e do conceito de auto-realização em um nível holístico.

Referência
Feist, J., & Feist, GJ (2009). Teorias da personalidade (7 ed.). New York, NY: McGraw Hill.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.