Brasil fica em 3º lugar no “Índice de ignorância” mundial

indice-de-ignorancia-brasil-ipsos-mori

A edição 2015 da pesquisa “Perigos da percepção” (Perils of Perception) do Ipsos MORI coloca o Brasil no Top 3 de países com a população mais ignorante a respeito de algumas questões-chave e de características do próprio país.

‘Índice de ignorância’ – Tabela Ipsos
Ranking País
1 México Menos precisos
2 Índia
3 Brasil
4 Peru
5 Nova Zelândia
6 Colômbia
7 Bélgica
8 África do Sul
9 Argentina
10 Itália
11 Rússia
12 Chile
13 Grã Bretanha
14 Israel
15 Austrália
16 Japão
17 Canadá
18 Alemanha
19 Holanda
20 Espanha
21 Noruega
22 França
23 Suécia
24 Estados Unidos
25 China
26 Polônia
27 Irlanda  
28 Coreia do Sul Mais precisos
  1. O top 1%: países mais desenvolvidos superestimam significativamente a proporção da riqueza de adultos mais ricos 1% no seu país.  Alguns países, subestimam o quanto de riqueza de seu país está concentrada nas mãos de 1% do topo – Peru, Índia, Israel, Brasil e Rússia (onde o top 1% possui realmente incríveis 70% de toda a riqueza).
  2. A obesidade / excesso de peso: Quase todos os países pesquisados subestimam a proporção do problema de peso em seu país. O palpite médio para a proporção de pessoas com sobrepeso ou obesos é de 40%, que é muito menor do que o número real de 54%.
  3. Não-religioso: países asiáticos, como China, Japão e Coréia do Sul são bastante precisas sobre as (relativamente elevadas) proporções de pessoas não-religiosas no seu país, mas a maioria dos outros países superestimam enormemente a proporção dosnão são religiosos: a estimativa média em todos os países é de 37%, quando a proporção média atual é de 18%. Isto é particularmente visível na Índia (estimativa média de 33%, quando o número real é inferior a 1%), em muitos países latino-americanos, como México, Brasil e Peru (que superestimam por 30, 27 e 25 pontos, respectivamente), e países como  Rússia (superestimação de 29 pontos), Noruega, Irlanda e Sérvia (todos deram fora por 28 pontos).
  4. Imigração: O palpite médio dos 32 países é que 23% são imigrantes, quando o valor real é inferior a metade (10%). As maiores estimativas exageradas tendem a ser nos países com níveis muito baixos de imigração – como Argentina, Brasil, África do Sul, Índia, México e Peru, todos os quais exageraram a proporção de imigrantes por mais de 20 pontos percentuais -, mas o Canadá e os EUA, países com níveis mais elevados de imigração, também estão entre os mais imprecisos. Arábia Saudita e, em menor medida, Israel, são os únicos países que subestimam a proporção de imigrantes.
  5. Mulheres políticas: Nenhum dos países do nosso estudo conseguidam um equilíbrio de gênero em sua câmara política (ou equivalente), embora a Suécia vem mais próximo com mulheres que compõem 44% – em contraste, apenas 10% são mulheres no Brasil, Hungria e Japão. Alguns países que fazem relativamente bem seu equilíbrio de gênero na política parecem não perceber isso (como México, Espanha e Bélgica), enquanto Columbia, Rússia, Índia e Brasil acham que há melhor representação feminina do que realmente existe.
  6. O emprego feminino: O público em sua maioria mostrou um alto grau de precisão em todos os países quando eles foram perguntados sobre a quantidade de mulheres em idade de trabalhar estavam empregadas em seu país – Israel subestima significativamente a proporção do emprego feminino (29 pontos percentuais), enquanto a Índia, México, África do Sul e Chile pensam que há mais mulheres no trabalho do que a realidade.
  7. Acesso à Internet: Há um grande fosso entre o mundo desenvolvido e em desenvolvimento em estimativas de acesso à internet. Enquanto a maioria nos países mais ricos ligeiramente subestimam seus (relativamente elevados) níveis de acesso à internet, no mundo em desenvolvimento entrevistados superestimam quantos de seus concidadãos estão online. A pesquisa foi realizada com uma amostra online, de modo que essas descobertas podem refletir como a população conectada à classe média generaliza toda a população a partir de sua própria experiência. Por exemplo, na Índia, a suposição média entre os inquiridos online sobre acesso à Internet é de 60% – uma superestimação da verdadeira imagem de 41 pontos percentuais, e na China, a suposição média é de 72%, 26 pontos demasiados otimistas.

México e Índia recebem a duvidosa honra de ser os mais imprecisos em suas percepções sobre estas questões na tabela Ipsos, enquanto os sul-coreanos são os mais precisos, seguidos pelos irlandeses. Existem alguns padrões regionais nesta tabela – por exemplo, países da América Latina tendem a ser mais imprecisos, europeu e norte-americanos mais preciso – mas isto esconde diferenças individuais, e não é toda a história. Nova Zelândia é o menos preciso dos países desenvolvidos (entre os cinco mais ignorantes), enquanto a China está no top 5 mais precisos.

Dei destaque para os pontos em que o Brasil é abordado. Para os resultados completos da pesquisa clique aqui (em inglês).

 

 





DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.